Morte em neonatos

Devemos ficar atentos aqueles filhotes que aparentam normais ao nascerem, mas que de repente param de mamar, ou apresentam dificuldades de sucção.  Filhotes choram com frequência e costumam ficar isolados da ninhada.

Os neonatos são muito vulneráveis ​​porque seus mecanismos termorreguladores são pouco desenvolvidos. Apresentam maior risco de desidratação, hipoglicemia e são imunologicamente imaturos. Portanto, independentemente da causa inicial, os neonatos rapidamente se tornam hipotérmicos, hipoglicêmicos, desidratados, hipóxicos e morrem. Eles estão predispostos à hipotermia porque não conseguem manter a temperatura corporal, carecem de gordura, não conseguem induzir vasoconstrição periférica, não tem a capacidade de reagir ao frio por tremores e têm uma grande área de superfície corporal em  relação ao volume sobre o qual perdem calor. A hipotermia reduz a absorção intestinal, aumenta a suscetibilidade à infecção e, eventualmente, leva à insuficiência cardiopulmonar. Os neonatos são predispostos à hipoglicemia porque precisam de muita energia (2 a 3 vezes a taxa metabólica de adultos/ kg de peso corporal), mas não possuem reservas pois seu figado ainda é imaturo e ineficiente.

Podem sobre rapidamente desidratação  porque eles têm uma porcentagem maior de água corporal (82%) do que os adultos, e sofrem maiores perdas através de seus rins, pulmões e pele.

As principais causas de definhamento em gatinhos são:

  • Fatores relacionados ao nascimento por falta de cuidados maternos (hipóxia, trauma, hipotermia)

  • Anomalias congênitas

  • Baixo peso de nascimento

  • Ambiente inadequado (temperatura, umidade, higiene, superlotação, excesso de manuseio)

  • Nutrição inadequada

  • Isoeritrólise neonatal

  • Infecção (viral, bacteriana, parasitária).

 

Infelizmente, é inevitável que alguns filhotes morram, mesmo nos melhores gatis. É esperado que gatos de raça apresentam níveis mais altos de mortalidade neonatal. Em um estudo, os gatos de raça tiveram uma mortalidade média de 34,5% entre o nascimento e um ano de idade (faixa de 8 a 40%), em comparação com 10 a 17% nos gatos sem raça. Esses níveis mais altos de mortalidade podem refletir a consanguinidade sabidamente existente em gatos de raça.

As mortes de gatinhos podem ser divididas entre aquelas que ocorrem no período pré-desmame (natimortos e óbitos nas primeiras 4 semanas de vida) e aquelas que ocorrem no período pós-desmame (mortes que ocorrem desde o desmame até 6 meses de idade). No geral, a mortalidade pré-desmame é geralmente de 15 a 30%, e os natimortos representam <10% de todos os filhotes nascidos. A mortalidade de gatinhos é mais alta na primeira semana de vida (normalmente > 90% de toda a mortalidade de gatinhos). As perdas pré-desmame geralmente resultam de causas não infecciosas, enquanto as causas infecciosas são mais prevalentes no pós-desmame. Isso ocorre porque, antes do desmame, os filhotes são relativamente protegidos contra doenças infecciosas por anticorpos de origem materna. Os gatinhos que morrem entre o nascimento e o desmame são frequentemente chamados de “gatinhos que definham”

Os gatinhos neonatais podem morrer repentinamente ou definhar até a morte. Infelizmente, os sinais clínicos de muitas doenças neonatais são muito semelhantes e específicos. Enquanto gatinhos normais tendem a se aconchegar e dormem contentes entre as mamadas, os gatinhos doentes tendem a ficar separados e geralmente são mais inquietos.

 

Baseado no artigo do Congresso Mundial 2006 WSAVA / FECAVA / CSAVA

 

1. Fatores relacionados ao nascimento:

Gatinhos que sofrem de distocia têm um risco significativamente aumentado de morte nas primeiras semanas de vida. De fato, o parto prolongado ou a distocia são provavelmente as causas mais significativas de morte neonatal. Isso resulta dos efeitos da hipóxia e / ou trauma. Distocia ocorre em 6% das gestações (faixa de 0 a 18%). Estudos demonstraram que gatos com conformação de crânio extrema, como siameses e persas, apresentam níveis muito mais altos de distocia (7-10%) do que gatos com conformação normal (geralmente <5%). A hipóxia durante o parto pode resultar em natimorto ou no nascimento de gatinhos fracos e lentos que não conseguem mamar. Esses gatinhos geralmente morrem na primeira semana de vida ou, devido à falta de ingestão de colostro suficiente, têm um risco aumentado de doença infecciosa.

A mortalidade de filhotes geralmente é mais alta na primeira ninhada e depois da quinta ninhada de uma fêmea. As altas taxas de mortalidade em gatinhos de fêmeas iniciantes provavelmente estão relacionadas à inexperiência, trauma e canibalismo. Já as fêmeas mais velhas tendem a ter ninhadas menores e tendem a produzir mais filhotes com defeitos congênitos.

Texto traduzido e adaptado de:

Dr. Danielle Gunn-Moore

University of Edinburgh

Danielle.Gunn-Moore@ed.ac.u

www.catvet.homestead.com

 

© 2017 Clube Ragdoll Brasil. Todos os direitos reservados.

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle